19/06/2010

O Côncavo e o Convexo.

Houve um tempo em que os pais escolhiam os cônjuges de seus filhos e estes, por falta de autonomia intelectual, aceitavam a vontade dos mesmos. Quando os filhos impuseram suas próprias decisões aos pais, começou a "revolução" de poder escolher com quem se unir para passar o resto da vida e, assim, dividir os altos e baixos que ela oferece.

Esta é a meta do ser humano que - sem mencionar romance ou manifestações consecutivas de afeto - busca uma companhia para ter apoio, segurança, força, incentivo e cumplicidade. Se além disso, encontrar alguém para conversar, desabafar, rir, se divertir e ter conforto nos momentos de aflição e tristeza, essa é a escolha certa.

Em todo este processo, o impossível é não passar por verdadeiras provações ao lado de pessoas que acreditamos cegamente serem a pessoa certa. A escolha errada causa transtorno, transforma a vida num inferno; ela divide somente seus problemas e preocupações enquanto que os pequenos momentos de prazer não passam de migalhas atiradas para manter a relação. Partindo para a área psiquiátrica, ainda corre-se o risco de se deparar com alguém que possua algum "novo" distúrbio psíquico, pois até mesmo a internet está gerando compulsões.

Com a chamada "cara metade" não tem irritação, sapo engolido ou ouvido feito de penico. Não tem teatro, chantagem emocional, dominação ou egoismo. Quando se encontra alguém que torna nossa vida mais tolerável e saborosa, é inevitável a sensação de vitória no encontro de quem se procura. A pessoa certa faz da sua vida uma canção em que todas as notas se encaixam em perfeita harmonia. Ela te impulsiona, te eleva; busca crescer contigo ao mesmo tempo em que cresce com ela. Estar ao lado de alguém assim faz do seu humilde caminho uma highway celestialmente arquitetada.

Este é o verdadeiro sentido de poder escolher com quem compartilhar uma caminhada pela vida. Pode-se não ter a sensação de estar pisando na Lua, mas o prazer de estar com os pés na Terra faz com que nossa humilde jornada seja de coragem, confiança e alegria.

Rodrigo Moura © 2010 Todos os Direitos Reservados

2 comentários:

Pontes disse...

Caro Rodrigo!

Parabéns pelo texto e pelo blog!

Realmente você tem razão. Muitas provações e muita persistência! Não devemos desistir nunca apesar disso.

Grande abraço,

RoDrIgO MOuRa disse...

Edson, mais uma vez obrigado! A verdade é que nunca podemos desistir do que buscamos, a persistência é uma qualidade e poucos são os que acreditam que o futuro reserva sempre o melhor. Valeu!!!