31/03/2011

Big Bang


No início era uma imensa força de brilhante consonância,
sem tempo, nem solo, sem eixo, nem sólido.
Luz, o reflexo da prata
quente, o tudo
somente luz.

Em paralelo havia uma fenda negra de grosseira desarmonia,
sem peso, nem rumo, sem céu, nem matéria.
Sombra, reflexo da escuridão
fria, o nada.
somente trevas.

Numa explosão forçada
as trevas avançaram para dentro da luz para expandir-se,
mas esta baniu a escuridão que ultrapassou sua fronteira.

A luz que transpôs as trevas
e na expulsão tornou-se sólida, nelas fundiu-se.
Ganhou forma no território inimigo.
Formaram-se astros giratórios,
moradas girando como num carrossel.

A luz criou a vida
para assear-se na densidade materializada.
As trevas deram origem à obsessão,
rejúbilo de seu endurecimento.

Surge o ciclo da expurgação,
o polimento que extrai os parasitas da escuridão,
chave para adentrar no universo das idéias,
no Tudo.

A luz faz sua jornada de volta ao mundo das formas, como imã.
Retornando ao reflexo do espelho
a claridade adquire potência.
Despe-se das sombras
cada vez que seu brilho se intensifica
e ganha velocidade desprendendo-se do palpável.

Faz sua jornada através do breu lapidando seu reflexo.
A luz da explosão vai avançando para fora do caos
purificando-se na eternidade.

Rodrigo Moura © 2011 Todos os Direitos Reservados

4 comentários:

Paulo Donizzeti disse...

MUITO BOM RSRS VADIO E EU FIZ VÁRIOS TRABALHOS DE DIREITO PRA VC HAHAHAHA E VC SABENDO ESCREVER DESSE JEITO, FIZ PORQUE EU QUERIA TE AJUDAR, MAS, O IMPORTANTE É QUE VOCE ESCREVE BEM E DOU A MAIOR FORÇA, CONTINUE ASSIM. ABRAÇÃO

Rodrigo Moura disse...

...Mas, Paulo,
No Direito é difícil abstrair, transcender.
Tem gente que consegue abstrair uma coisa fechada, o que não é o meu caso.
Ah, mas os trabalhos eu deixei você fazer para te ajudar também... Rsrs...
Lembra que você estava com compulsão pela internet? ...Então! Kkkk.
Obrigado, querido pelo comment e pela visita!!!
ABRAÇO GRANDE!!!

A Poeta de Alcova disse...

Adoro metáforas e reflexões complexas... rs Aliás, tudo a ver com o Big Bang! E a poética possibilita outras interpretações, como te falei, o Big Bang do Eu, do nascimento, da vida interior de um ser humano. Amei! Beijo

Rodrigo Moura disse...

ANDRÉA, com certeza cada um transporta o Big Bang para onde quer.
A metáfora está presente na minha vida há muito tempo - você deve se
lembrar do início - e a considero o melhor veículo para chegar até as
pessoas, pois assim cada um tem sua interpretação a respeito do que escrevemos.
Você foi mais além falando do "EU INTERIOR"; fico contente, afinal - você como poeta
sabe - escrevemos para que cada um tenha sua interpretação, transcenda por nossas
palavras. BEIJÃO GRANDÃO!!!