02/10/2011

O Fantasma do Morro

                  Peguei o lampião e corri até a porta
                  Seguindo o som da sua voz me avocando.
                  A dobradiça cuspiu o pó da ferrugem
                  E senti em meu rosto a lufada da madrugada.

                  Os pedregulhos uniram-se à sola dos meus pés,
                  Os pelos de meus adormecidos braços eriçaram-se
                  E um clarão no horizonte me puxou
                  Para dentro da incógnita escuridão.

                  Como um canto de Lorelei,
                  O encanto me guiou pelo caminho da mata;
                  Eram como acordes fantasmagóricos
                  Reverberando estridentes em meu âmago.

                  Os galhos das árvores dançavam,
                  As folhas estapeavam minha face
                  E a luz do lampião dobrava
                  A cada passo que eu dava em direção ao chamado.

                  As cigarras produziam uma estrídula sinfonia,
                  As corujas assustadas giravam suas cabeças,
                  Uma nuvem de pirilampos me envolveu
                  E fui içado por uma miríade de luzes multicoloridas.

                  Meus pés perderam o chão,
                  O lampião caiu,
                  E de dentro do bulício de asas,
                  O seu gemido ainda era audível
                  Como uma melodia ininterrupta.
                  Levado até o alto do morro,
                  Fui abandonado ao seu encontro.

                  Um vulto de névoa prateada,
                  Cintilante como o brilho da água à luz da lua,
                  Materializou-se diante de mim.
                  Chamava-me sem mover os lábios,
                  Suas vestes moviam-se como asas
                  Enquanto abria os braços pedindo um abraço meu.

                  Ela se afastou clamando-me com as mãos,
                  Parti indefeso na sua direção.
                  Guiado pelos seus espelhados olhos,
                  Nem mesmo pestanejei.

                  Rodrigo Moura ©  Todos os Direitos Reservados

Nenhum comentário: