23/10/2011

A Vênus do Jardim


                  Uma fenda abriu-se no céu
                  E por ela um anjo desceu
                  Com a missão de apaixonar-se na Terra
                  Por um coração que enrijeceu.

                  Sua queda findou-se num suntuoso jardim.
                  O gramado embriagava-se com a água do Eufrates,
                  E o ar difundia o perfume coibido nos açafates.
                  As flores cintilavam envaidecidas de suas cores,
                  As plantas entorpeciam-se com seus odores.

                  O anjo estonteado e abstruso
                  Demorou para os olhos apinhar.
                  Com a visão espiralada e nuviosa.
                  Imagens não podia enxergar.

                  Pressentiu uma silhueta fitando-o de cima,
                  Identificou um rosto emoldurado pelo desfoque
                  Pairando no alto do vulto nu de seu enfoque.

                  Na ausência de seu âmago angelical,
                  Desprovido da pujança de seu desenho divino,
                  O anjo encontrou os pétreos olhos do rosto
                  Ajoelhou-se apaixonado e cristalino.

                  Entregando-se ao símbolo terreno do paraíso,
                  Seus sentidos adquiriram a languidez da paixão
                  E sua existência incorpórea rendeu-se à missão.

                  Em pé se prostrou para a imagem acariciar,
                  Mas sua forma trespassou o que não podia tocar.
                  Decidiu incorporar-se na imagem petrificada
                  Para ali esperar a eternidade chegar.

                  Uma estátua com um anjo em seu interior,
                  Exalando uma fragrância suave de colônia,
                  Tornou-se a mais bela e vívida estátua
                  Dos Jardins Suspensos da Babilônia.

                        Rodrigo Moura © 2011 Todos os Direitos Reservados

2 comentários:

Pontes disse...

Rodrigo, que texto incrível! De tirar o fôlego! Estou de joelhos!! Amigo, parabéns do fundo do coração! Que foto, que texto! Que orgulho ser seu amigo!!

Rodrigo Moura disse...

Ah, Edson, fico contente!
A foto é uma técnica antiga chamada Cianotipia, que
dá pra fazer através do Photoshop sem precisar de revelação
anterior. Mas não tem filtro próprio, é preciso ir combinando.
A poesia escrevi na metade de agosto, mas ainda
não havia postado porque queria uma foto legal.
Obrigado pelo carinho e pelo incentivo de sempre.