11/12/2011

Dividido em Dois

                   Meu lado selvagem olha para o teu corpo
                   Com desejo de voltar ao estado primitivo.
                   Atira-se em tua forma, rasga-te a pele
                   E degusta todo o sabor da tua essência.

                   Meu lado humano olha nos teus olhos
                   Oferecendo cenas em cinemascope,
                   Onde os corações embalam-se envoltos
                   Pela música de Alfred Newman
                   Até ficarem inconscientes.

                   Meu superego aconselha:
                   “Cuidado! Certos olhos disparam chamas de desejo,
                   Mas te olham apenas como uma lembrança na gaveta".

                   Meu paladar convida minha boca a espumar
                   Quando sinto o teu cheiro exalado pela temperatura.
                   Devora-te como uma presa indefesa,
                   Sacia-se como uma fera alimentada numa jaula.

                   Meu tato desliza em teus pensamentos,
                   Acaricia teus sentimentos extraindo as inseguranças.
                   Preenche as tuas lacunas enxertando verdades
                   E acolchoa teu coração com esperanças.

                   Meu ego adverte:
                   “Domina teu lado primitivo,
                   Mas saiba que poderá usá-lo
                   De acordo com a tua vontade”.

                   Minha figura animal desenha a tua nudez
                   Registrando-a como em frames de câmera lenta.
                   Minha visão periférica observa teu pescoço
                   E minha língua reproduz o teu gosto na saliva.

                   Minha forma espiritual observa tua forma celeste,
                   Tuas manias adaptadas ao meu habitat invisível.
                   Enxerga pelas tuas opacas tristes meninas
                   E edulcora em ti o que o tempo tornou amargo.

                   Meu todo comemora:
                   “Antes a angústia que aprendeste a remover
                   Do que um lugar desocupado
                   Que nada tem a acrescentar”.

                         Rodrigo Moura © 2011 Todos os Direitos Reservados

4 comentários:

Anônimo disse...

muito bonito esse poema, o que é essa imagem? o que ela significa?

Rodrigo Moura disse...

Anônimo...
Obrigado pelo comentário.
O objeto da foto é composto por três
círculos e uma flecha no meio.
O significado é livre, cada um
interpreta a sua maneira, assim
como o poema.
Abraços.

Andréa Freire disse...

Poesia e Psicanálise, combinação bárbara, atraente, profunda, questionadora... adorei!

Rodrigo Moura disse...

Andréa, adivinhou!!!
Como sempre, referências mitológicas intrínsecas,
mas a psicanálise desta vez deixei explícita!!!
Beijão!!!
Obrigado.