16/01/2012

Olhos de Argonauta

                   A maldição contida naquele beijo
                   Entalhou em meu rosto os olhos de Linceu;
                   A intuição me guiará como uma sina.

                   Desvendarei enigmas que,
                   Pela premeditada falta de comunicação visual,
                   Teus olhos oscilantes tentarão ocultar.
                   Montarei quebra-cabeças
                   De grosseiras peças de incoerência bestial
                   Sobre fatos que a angústia não permitirá narrar.

                   A sentença proferida por aquele beijo
                   Cravou em minha face os olhos de Linceu;
                   Enxergarei as dolorosas defesas de cada um.

                   Observarei que as acusações
                   Aliviarão a falsa e grotesca culpa
                   Com véus líquidos para sublimar o passado.
                   Decifrarei o código das expressões
                   Emergidas em traços de mentiras neuróticas
                   Usadas para se construir um povoado.

                   Não haverá sono profundo depois daquele beijo,
                   Despertaram olhos intuitivos em mim
                   E eles não mais me permitirão acreditar.

                         Rodrigo Moura © 2012 Todos os Direitos Reservados

Nenhum comentário: