20/05/2012

Em Cartaz


                   Despidos em frente ao espelho
                   Esperávamos que as cortinas se fechassem
                   Para que os aplausos nos ensurdecessem
                   Como alívio às nossas frustrações.

                   Não haveria texto
                   Se não fôssemos precipitados
                   Em enumerar conteúdos mal resolvidos
                   Desaguando presenças ausentes
                   Na montagem de uma catarse. 

                   Queríamos representar delírios,
                   Edificar com tijolos cênicos
                   Um cenário quimérico
                   Onde o nosso Édipo
                   Reinaria em êxtase.

                   Estilizando nossas fantasias
                   No camarim à meia luz,
                   Não terminaríamos a sessão
                   Se não tivéssemos feito
                   O holocausto em cena.

                   Encarnamos nossa devoção à tragédia
                   Aniquilando o ensejo de conhecer um ao outro
                   Em nome do espetáculo do rancor.

                          Rodrigo Moura © 2012 Todos os Direitos Reservados

Um comentário:

Evandro L. Mezadri disse...

Muito bom, Rodrigo!
Sua poesia é um convite para uma viagem de reflexões.
Grande abraço e sucesso!