21/08/2012

Vaidoso Transtorno


                   Fechou as longas cortinas,
                   Desceu as escadas até o porão.
                   Paredes úmidas como as de uma cela,
                   Silêncio entorpecido de escuridão.

                   Acendeu uma vela imaginária,
                   Sua sombra estampou a parede,
                   Vulto de suas volições infantis
                   Sem futuro nem presente.

                   Ao entregar sua alma à própria obsessão,
                   Ouviu uma voz lhe chamar de menino.
                   Manifestando-se como musa luminosa,
                   Não foi notada a presença do espírito divino.

                   Ela o chamou pelo nome.
                   Hipnotizado ensurdecera extasiado
                   Pelo contorno da sombra de si mesmo.
                   Sentia-se completo ao se deleitar de tocar
                   Na gravura do contorno da sombra de si mesmo.

                   Ganhou um beijo na face.
                   Desprezou-a venerando seus próprios traços
                   Na textura da gravura do contorno
                   Da sombra de si mesmo.

                   A jovem etérea de trajes cintilantes
                   Desfez-se em pequenas esferas
                   Brancas com lanças verdejantes.
                   Apagaram-se no alto da escada.
                   Fez-se a escuridão.

                         Rodrigo Moura © 2012 Todos os Direitos Reservados

Um comentário:

Andréa Freire - Psicanalista disse...

Quantos quantos quantos vaidosos transtornos!! Intensos adornos de si mesmos...