25/08/2012

Apotheotic Pandemonium


                                  Defendi minha pele com honrosa lucidez
                                  Em época de instintos medievais.
                                  Onde as gárgulas são anjos disfarçados de demônios
                                  Resguardamos do mal os sacrifícios que fazemos.
                                  Sentinelas eternas me transformem
                                  No guardião da ingenuidade
                                  De se ver os segredos como não revelados
                                  Para a minha salvação.
                                  Mercadores de moedas baratas
                                  Não se satisfazem em propagar
                                  A má-fé de seus ouvidos.
                                  Ao final, são os ratos
                                  Os coroados
                                  Com a fama de ardilosos.

                                             Rodrigo Moura © 2012 Todos os Direitos Reservados

2 comentários:

Evandro L. Mezadri disse...

Belíssima obra, Rodrigo!
Bem escrita, a foto adornou o sentimento mostrado por ti.
Grande abraço e sucesso!

Rodrigo Moura disse...

Obrigado, Evandro!
Grande abraço!!!