05/09/2012

Feito Véu


                                Idealização que produz amor,
                                Efeito químico que fascina a dor.
                                Êxtase cego que aprisiona,
                                Estaca cravada que desmorona.

                                Euforia encharcada de torpor,
                                Suor que evapora sem odor.
                                Pupilas com brilhos de encanto,
                                Suplício com fome de acalanto.

                                Seja secreto ou declarado,
                                No olhar trocado ou insinuado, 
                                Cerramos os olhos da intuição.

                                Na volúpia ou na promessa,
                                Na lambida ou na compressa,
                                É acortinado o que mais machuca. 

                                           Rodrigo Moura © 2012 Todos os Direitos Reservados

3 comentários:

Andréa Freire - Psicanalista disse...

Idealização... ideal de ação... tão perto e distante... fantasia tocante, verdade desfigurante... Ideal de amor, de sonhos, de paixão... prazer de ilusão... mas imaginativo real.

Adorei a poesia!
Beijos...
* Lembrei das nossas conversas sobre o amor idealizado.

Rodrigo Moura disse...

Verdade, Andréa!
Despir-se da idealização é como
abrir mão de coisas que sonhamos.
Trazer a realidade para as relações
é como deixar que elas percam a
luminosidade. Por outro lado é necessário
porque só assim saberemos o momento
em que a magia realmente acontece.

BEIJO GRANDE

Evandro L. Mezadri disse...

Belíssimo soneto, Rodrigo!
Muito bem escrito, rico em detalhes e imagens, dramático!
Grande abraço, sucesso e grato pela visita!