12/02/2013

Chuva no Gramado


                  Descalço alcanço o gramado
                  Um pensamento sussurrado 
                 “É breve a nossa separação”.
                  Evocando as tuas virtudes, 
                  Meu temor às vicissitudes
                  Enleia-se nas poças do chão.

                  Voz despojada de vaidade, 
                  Fiança da tua honestidade,
                  Ouço a relva me chamar. 
                  Estiro-me no solo calmante,
                  Uma oração reconfortante, 
                  O peito opresso a respirar.

                  Lealdade sem coações,
                  Vanglórias ou oscilações,
                  Intensifica a garoa que cai. 
                  Então, minha boca sangra 
                  Uma poção que abranda
                  A eufórica dor que contrai. 

                  Conceitos sem absurdos, 
                  Ânimo imune aos insultos, 
                  Clareza em se conhecer. 
                  A água que me encharca 
                  Na claridade deságua 
                  A tua existência em meu ser.

                  A chuva banha meu corpo
                  O suor vai ao teu encontro
                  Na terra que te priva do ar. 
                  A sete palmos distantes,
                  Perene saudade vibrante,
                  A fé serena o meu pesar. 

                  Rodrigo Moura © 2013 Todos os Direitos Reservados

2 comentários:

Evandro L. Mezadri disse...

Belíssima obra, Rodrigo!
Que rimas!
Grande abraço e sucesso!

Antônio LaCarne disse...

parabéns pelo poema!