30/06/2013

Gryphus

               
                  No alto da Cordilheira dos Cárpatos
                  Em uma imensa gaiola como palácio,
                  Sob relâmpagos guardiões de majestosos trovões,
                  Gryphus dilata seu orbe.

                  Soberana laureada com demência
                  Na premência da carência
                  Veste pele de meretriz.
                  Fomenta a ilusão periférica
                  Da personagem histérica de sua ira.

                  Suspensa num dourado balanço,
                  Trono utópico de descanso,
                  Bate seus cascos de verniz;
                  Marca o compasso frenético
                  Do ritmo tétrico de seus nervos.

                  Balança seu rabo de cavalo ao bater as asas,
                  Adorna os chifres pintando-os com as garras.
                 "O delírio me sublima", rosna com fealdade,
                 "É nele que meus impulsos se entorpecem
                  Edulcorando os desgostos da sanidade."

                 "Retirem-se! Saiam daqui!", ordena ao vácuo
                 "Deixem-me com os preceitos do meu embalo
                  Onde a rainha sorve a raça de seus vassalos."
                  A criatura no poleiro da desesperança
                  Adormece sua alienada alma de criança
                  Implorando proteção.

                  Rodrigo Moura © 2013 Todos os Direitos Reservados

Um comentário:

Evandro L. Mezadri disse...

Ótima obra, Rodrigo!
Com contornos medievais, gosto do estilo, frases muito ricas e cheia de imagens!
Grande abraço, sucesso e boa semana!