13/08/2013

O Viajante do Holograma

                   
                   Na fonte dos mares
                   ofereço uma moeda
                   e exprimo um pedido:
                   “Resgate-me do dilúvio.”
                   Norteio-me enlevado
                   pela chama dos teus faróis,
                   navego até a costa
                   e ancoro em tua luz.

                   Eclodem-se as areias
                   no deserto das miragens.
                   tua efígie me sacia,
                   reanima a boca seca.  
                   Sob o sol escaldante
                   tua brisa me afresca,
                   minha pele refaz-se
                   na tua paz em mim.

                   Nas trilhas rotundas
                   da floresta de espinhos
                   sigo com tua bússola
                   cravada em meu peito.
                   Caminho nas trevas
                   trajado com a tua força,
                   cicatrizam-se os cortes
                   antes de o sangue verter.

                   À beira do abismo
                   agarro-me em tuas rochas.
                   Entrego-me a ti
                   esperando não despencar.
                   Um eclipse ofusca tua luz;
                   a paz se conturba,
                   a força evanesce.
                   o infinito me devora.

                   No vale onde as almas
                   mitigam-se com o sabor
                   dos sobejos lançados
                   no martírio do silêncio,
                   uma suspeita anuncia
                   a infeliz certeza:
                   tenho mais uma moeda,
                   esperarei o eclipse passar.

                   Rodrigo Moura © 2013 Todos os Direitos Reservados

2 comentários:

Evandro L. Mezadri disse...

Belíssima obra, Rodrigo!
Cheia de imagens poéticas, nos prende até o final, criativa ao extremo, uma das melhores que li por aqui!
Grande abraço e sucesso!

Rodrigo Moura disse...

Valeu, Evandro!
Muito obrigado.