20/11/2013

Espetos e Garfos


                       No coração de uma noite fria surgiu
                 má sorte revelada num sonho febril.
                 Preocupado, o rei não mais dormiu.

                “Meu amor resplandece em teu adágio.
                 Tua ausência soa-me como crurifrágio”,
                 disse a rainha após ouvir o presságio.  

                 O rei desconfiado reuniu seus peões:
                 “Caso a rainha perpasse meus portões,
                 discretamente sigam-na como espiões.”

                  A rainha determinou selar seu cavalo;
                  rumou à torre antes do cantar do galo
                  vigiada pelos peões em breve intervalo.

                  Um peão regressou veloz ao rei:
                  “Alteza, a rainha na torre avistei!
                  Vossa Majestade até lá conduzirei.”

                   Quando o rei ao lado da torre apeou,
                   o cavalo branco do bispo encontrou.
                   Enfurecido, a espada real empunhou.

                   Escadaria acima correu exaltado,
                   a cada degrau ofegava intrigado.
                   No alto da torre fora anunciado:
                   - Xeque-mate! 

                    Rodrigo Moura © 2013 Todos os Direitos Reservados

4 comentários:

Evandro L. Mezadri disse...

Ótima obra, Rodrigo!
Muito criativa, poética, diferente!
Grande abraço, sucesso e ótima semana!

Evandro L. Mezadri disse...

Grande Rodrigo!
Grato pela visita e pelas palavras, em breve vamos nos reunir novamente.
Esperando por uma nova obra sua, abraço e sucesso!

Evanir disse...

Bom Dia.
Venho conhecer seu blog através do querido amigo de muito tempo..Evandro.
Seu poema também agradou meu coração
são fantásticos seus versos.
Uma feliz semana beijos,Evanir.

Rodrigo Moura disse...

Muito obrigado, Evanir!
Visite meu blog sempre que quiser,
ficarei bastante contente.
Um grande abraço.